Dra. Anny Caroline Martins

CRP 01/20300
Abordagem: Psicanálise

Anny foto_edited.jpg

Atendimento adulto e adolescente

- Graduação em Psicologia, Pela UnB (Universidade de Brasília)


- Residência em Saúde Mental do Adulto pela FEPECS/SES-DF (Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências de Saúde)

Demandas especializadas:

Depressão
Ansiedade

Transtornos Alimentares

Transtorno de Personalidade Borderline

Intervenção em Crise Suicida

Sexualidade

Toxicomania

A história por trás da Anny Caroline Martins

            Desde o início da graduação, sabia que desejava seguir o caminho da clínica e investi nas matérias que poderiam me preparar para esse momento. O que me instigava acerca do trabalho em consultório era a ideia de testemunhar oque realmente tem valor para as pessoas. De fato, percebi ao longo dos atendimentos e da minha própria psicoterapia, que são compartilhadas preciosidades, sendo que de algum modo elas estão atreladas a um sofrimento profundo.  

            Nesse processo, escolhi a psicanálise para ancorar a minha escuta. Fui seduzida pela noção de que os adoecimentos psíquicos estão atrelados às problemáticas do amor: quanto um bebê pode ou não ser desejado, de quando abrimos mão de nós mesmos pelos objetos de amor, o luto que a vida nos obriga a fazer, seja de alguém ou da expectativa que temos de nós mesmos. E assim, o sofrimento vêm acompanhado de um emaranhado de desejos inconscientes, isto é, impulsos dos quais nós mesmos não sabemos, mas que governam nossa trajetória, criando um contexto de angústia.

            Mesmo pegando muitos estágios na clínica, todos em psicanálise, decidi fazer uma residência em saúde mental. Já que a carreira acadêmica não me chama atenção, vi que não era hora de um mestrado, mas de uma atuação que ampliasse minha experiência prática. No SUS, atendi pessoas que estavam entre a vida e a morte, realizando todos os tipos de intervenção em crise.

            Se na graduação passei um tempo considerável atendendo casos de transtornos alimentares, na residência passei a metade do tempo atuando com adicção em álcool e outras drogas. Essa experiência me permitiu estar perto da população em situação de rua, lidando com vulnerabilidades extremas e reinventando a minha prática diariamente.

            O que eu percebi é que independente da problemática, meu lugar de satisfação é o consultório. Complementar às intervenções em crise, que são pontuais, o vínculo criado em consultório permite o acompanhamento das transformações e a vivência de uma intimidade única e profunda.

            Dessa maneira, é com prazer que eu integro o quadro de equipe da Árya e me disponibilizo a escutar os que buscam aventurar-se em sua própria história.